Girl, Uplift your Soul!

Meu amor, não tenhas medo de perder o teu amor. Tem sim medo de nunca encontrar o teu amor por ti.

Não te cabe a ti dizer onde os outros devem estar assim como não cabe aos outros dizer onde tu deves estar.

Não me cabe a mim dizer onde tu deves estar.
Não me cabe a mim dizer quem tu podes ser.
Não me cabe a mim tentar controlar por um segundo o teu mundo.

Como é que um entende que ninguém é propriedade de ninguém quando vivemos num mundo todo ele condicionado, até em relacionamentos.

Eu cresci a acreditar que o certo é tu amares uma pessoa e por consequência assumires um compromisso em como te comprometes a amar essa mesma pessoa “o resto da tua vida”.
Um compromisso em que assinas um “contrato” em como o que é teu é dele e o que é dele é teu, anulando assim toda a vossa singularidade e por vezes até mesmo a tua identidade.

Assumes com essa pessoa um papel de respeito e lealdade em como não irás olhar, tocar, desejar ou amar outro alguém, como se pudesses controlar as tuas emoções e pudesses escolher os teus pensamentos.

O que eu quero dizer com isto é…
Quando estamos num relacionamento a 2, queremos promessas de que tudo será eterno.
Queremos saber que aquela pessoa nunca nos vai deixar.
Queremos saber que aquela pessoa nunca irá deixar de nos amar.
Queremos saber que somos o mundo daquela pessoa pois essa mesma pessoa acaba por se tornar o nosso mundo.

Os relacionamentos de hoje são baseados em apego e não em amor.
Quando tu queres/exiges que o outro se sinta de certa e determinada maneira relativamente a ti, pois caso contrário, nada faz sentido… Isso deixa de ser amor e passa a ser apego.

A verdade é que deixa de ser amor quando o mesmo passa a ser exigido ou se torna obrigação.
Deixa de ser amor quando tem de ser um amor restrito e limitado.

O que quero dizer com isto é…

Amor não tem que ser obrigação. Amor tem que fluir livremente.
Se é amor, não tens que exigir, pedir e muito menos mendigar. Ele vai lá estar e vai ser sentido em todas as palavras e ações.

Amor não tem que ter limites ou barreiras. Amor tem que ser abundante.
Existe uma diferença entre amor e respeito e lealdade.
Amor é quando amas o que é, da maneira que é e como quer ser.
Enquanto respeito e lealdade é o bom senso de respeitar os teus valores e os dos outros e seres leal às promessas que fazes aqueles que amas.

Mas amor… amor deve ser partilhado e expressado e não direccionado e controlado.

Amor é quando amas ver a pessoa feliz, completa, em harmonia com a vida.
Se a sua alma quer algo que é separado de ti ou que tu não podes dar, o teu amor deveria ser grande o suficiente para dares passagem imediata.

Amor é quereres passar o resto da tua vida com essa pessoa sabendo que a qualquer hora és livre de ir embora sem qualquer punição, especialmente a nível emocional.

Amor é olhares para o mundo á tua volta e apesar de tudo aquilo que te alimenta a vista, saberes exatamente o que te alimenta a alma.

Amor não pode ser imposto, amor tem que ser dado e sem apertar.

Amor é não quereres que essa pessoa fique contigo para o resto da tua e da sua vida. Amor é saberes que ela já tem um lugar em ti independentemente de ela ir embora fisicamente ou não.

Mas amor não é querer tudo isso para essa pessoa.

Amor é quereres isso tudo para os outros e para ti mesma.

Amor é estares feliz, completa e em harmonia com a vida, pois, ao estares em harmonia com a vida, estás em harmonia contigo mesma e com tudo e todos aqueles que te rodeiam.

Para estares feliz, tens de te valorizar

Ao ponto de saberes que és completamente insubstituível; ao ponto de saberes que és imperfeitamente perfeita com todas as tuas qualidades e com todos os teus defeitos. E quando digo defeitos, não me refiro apenas á teimosia ou á preguicite aguda; refiro-me ao quão carente és, o quão sensível és, o quão egoísta consegues ser, o quão irresponsável por vezes és, o quão mente fechada és, o quão fria e distante és, o facto de não conseguires expressar o que sentes ou dizeres a tua verdade, ou então o facto de que tens o coração na boca e não consegues ter qualquer filtro; o facto de não conseguires controlar a tua ansiedade e emoções que te levam a reagir impulsivamente, o facto de desconfiares de tudo e de todos, o facto de teres medo de ser abandonada, traída e deixada.. estes e muitos mais factos e detalhes que te tornam tão tu.

Tudo o que faz de ti, tu, tem de ser reconhecido, amado, respeitado, e nutrido com compaixão, compreensão e coragem para saber como evoluir e aprender todos os dias.

Para te sentires completa tens de clarificar os teus desejos, lutar pelos teus sonhos, mas acima de tudo, seres grata por tudo o que tens, desde o mínimo ao maior detalhe de todos.

Para te sentires em harmonia, tens de saber quem és, o teu propósito e tens, acima de tudo, de ver este mundo com olhos de amor pela vida e por ti mesma.

Quando conseguires ter em ti todo o amor que mereces e tens direito, terás de igual forma todo esse amor retribuído a ti pelo universo.

E o mais importante disto tudo é…

Quando aprenderes a amares-te sem filtros, sem máscaras, e te permitires amar nua, completamente despida de corpo e alma… Irás entender que independentemente de quem fique e quem vá, a tua felicidade nunca será posta em causa pois tu és mais do que suficiente e todos os teus medos de perder aqueles a quem tens apego, será substituído pelo amor abundante que tens dentro de ti, tornando-te assim totalmente inabalável.

Meu amor, não tenhas medo de perder o teu amor. Tem sim medo de nunca encontrar o teu amor por ti.

1 thought on “Meu amor, não tenhas medo de perder o teu amor. Tem sim medo de nunca encontrar o teu amor por ti.”

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.