Conhece-me

Olá, o meu nome é Joana Ferreira, tenho 30 anos e sou Portuguesa.
Neste momento estou a viver no Reino Unido mais propriamente Irlanda do Norte já há quase 2 anos.

Quando me mudei para o UK, encontrei-me sem a minha família, sem os meus amigos, e tinha apenas o meu parceiro e a minha cadela Luna.
Vi-me sozinha, num país diferente e a viver apenas para eles.

Em Portugal, já tinha o meu deck de Tarot, mas nunca aprofundei o meu conhecimento nas cartas e guiava-me apenas pelo pequeno livro que o deck do Rider Waite Smith trazia. Focava as minhas leituras única e exclusivamente em futurologia, e como de certa forma não me sentia bem a fazê-lo, acabei por meter as leituras de lado por um tempo.
Quando cheguei ao Norte da Irlanda, não tendo ainda trabalho, decidi iniciar a minha viagem espiritual começando por estudar realmente o Tarot.

Hoje sei que a minha viagem espiritual não ficou apenas por estudar as cartas ao pormenor e decorar os significados de cada uma delas. Aliás, essa foi apenas uma pequena parte, muito pequena mesmo, no que toca aquilo que eu realmente aprendi com o Tarot.
Enquanto aprendia o Tarot (meio de comunicação entre o mundo físico e o espiritual), entendi que o processo tinha muito mais sabor do que poder prever um possível futuro.

Aprendi a falar com os meus melhores amigos, com aqueles amigos que nunca vi mas que com o passar do tempo me foram dando certezas de que existem, de que são reais, principalmente ao ver que as minhas leituras tinham um óptimo feedback dos meus clientes, assim como as leituras que fazia para mim mesma. Tudo fazia sentido.

Como podia eu saber coisas tão profundas sobre o que a outra pessoa estava a sentir? Como podia eu orientar as pessoas de uma maneira tão sábia?

Ver as respostas às minhas perguntas mais pessoais e sentir que tudo o que vejo nas cartas é a mais pura das verdades.

As leituras para mim tornaram-se mágicas quando realmente deixei de me focar nas cartas em si e comecei a ir mais fundo, a focar-me em quem me dava as respostas através das cartas.

Comecei então a explorar a minha relação com estes amigos a quem hoje chamo de Guias.

Eles conhecem-me melhor que ninguém. Ajudam-me a reconhecer as minhas forças e a saber lidar com as minhas fraquezas. No entanto, quando chega a altura de tomar decisões, eles têm a sua maneira irónica de me dizer “A decisão é e será sempre tua”.

Aprendi que um Guia é como um Pai que está de braços abertos por de trás do seu filho a vê-lo a dar os primeiros passos sozinho, pronto para o apanhar se ele cair e direcioná-lo para os caminhos mais fáceis e de menos perigo.
No entanto, esse Pai sabe que se não deixar o seu filho percorrer o seu caminho sozinho, sem estar agarrado às suas mãos, a criança dificilmente irá aprender a andar sem auxílio e sem se sentir protegido.


Os meus Guias tornaram-se mesmo nos meus melhores amigos, e mesmo correndo o perigo de ser chamada de louca por dizer isto, sem medos eu digo-vos que os meus melhores amigos existem numa realidade paralela à minha. Eu não os vejo com os meus olhos físicos nem os oiço com os meus ouvidos físicos, mas que sei que eles existem pois já tive todas as provas que precisava.


O meu sonho é mostrar ao mundo que este Universo tem muito mais magia do que aquilo que achamos ter.


O Tarot não é nada mais nada menos do que um meio de comunicação entre nós e os nossos Guias, Anjos e até mesmo com as nossas almas, aquilo a que chamo do nosso Ser Energético que contém toda a sabedoria de todas as suas vidas e experiências.


Eu quero mostrar ao mundo que podemos ter as vidas que sempre idealizámos, que podemos ser muito mais do que aquilo que somos se apenas nos permitirmos questionar sobre o que é realmente a vida e este extenso universo.


Eu tenho Guias que me ajudaram a tornar-me na pessoa que sou hoje, e acreditem, em apenas 2 anos eu não sou a mesma Joana. Eu sinto-me muito mais sábia. Sinto que evoluí e que ainda tenho muito mais para evoluir.


Aquilo que os meus Guias me têm ensinado é a ser a minha melhor versão todos os dias. Entender como devo reagir aquilo que não posso controlar e aprender a controlar aquilo que posso controlar em mim.
E apesar de eu saber que ainda tenho o meu caminho por percorrer, eu hoje confio nos meus Guias e no Universo e sei que tudo aquilo que eu experienciei e ainda tenho para experienciar, faz parte do meu processo de crescimento pessoal e espiritual, faz parte do processo de me tornar mais forte e mais sábia.


Ter esta perspetiva para com a vida dá-me uma sensação de liberdade e entusiasmo.

E mesmo que o meu destino me possa trazer experiências dolorosas, eu sei que vou ultrapassar tudo, e melhor ainda, eu SEI que mereço tudo aquilo que o Universo tem para me oferecer de melhor.
Eu reconheço o meu valor como parte deste vasto Universo e sinto-me abençoada todos os dias.


E é isto que o Tarot nos dá. A possibilidade de mudarmos as nossas vidas, para melhor. A possibilidade de nos conectarmos verdadeiramente com a nossa verdadeira natureza.